• Artigos: 0
  • Total: 0,00 €

Ampliar a imagem


Esperança (A)

André Malraux 

Colecção: Dois Mundos

Editor: Livros do Brasil

Ano de edição: 2015

Tipo de artigo: Livro

ISBN: 9789723829198

C.I.: 00000280697

Número de páginas: 520

Edição: 6

Local edição: Porto

Idioma: Português

Encadernação: Brochado

Disponível entre 1 a 3 semanas (Sujeito a confirmação)

Preço: 18,80 €

adicionar ao cesto

Comente este livro

Adicione à sua Lista de LeituraAdicione à sua Lista de Leitura

 Partilhar: 

O livro por dentro

contra capa

Sinopse

Os fascistas de Franco apertam o cerco a Madrid. Vindos de diferentes pontos do mundo, homens aventureiros e apaixonados juntam-se aos republicanos em brigadas internacionais que crescem na luta pela defesa dos valores democráticos. Entre eles está André Malraux, e é com base na sua experiência como chefe de esquadrilha na frente republicana da Guerra Civil de Espanha que publica, em 1937, A Esperança. Romance que toma partido, este é um livro amargo, relato de dor e derrota, mas também um testemunho inigualável de coragem, de companheirismo, de debate político e de um combate incansável pela liberdade. Uma das maiores obras jamais escritas sobre o drama espanhol de 1936-1939, a par de Por Quem os Sinos Dobram, de Ernest Hemingway, ou Homenagem à Catalunha, de George Orwell, A Esperança seria adaptada ao cinema pelo próprio Malraux e premiada em 1945 com o Louis-Delluc, «o Goncourt do cinema».

Sobre o Autor

Escritor e político francês (1901­1976). Enquanto homem de acção, não se furtou às lutas contemporâneas. Deu a conhecer o combate dos revolucionários chineses de 1926 (Les Conquérants, 1928; La Condition humaine - A Condição Humana, 1933), participou na Guerra Civil de Espanha (L'Espoir, 1937), lutou contra o exército alemão em 1940 (Les Noyers de l'Altenburg, 1943) e envolveu-se na Resistência. Foi ministro da Cultura de 1959 a 1969. Enquanto ensaísta, edificou uma filosofia da arte em Les Voix du silence (1951) e La Métamorphose des dieux (3 vol., 1957, 1974, 1976). Publicou ainda Antimémoires (1967), que se tornou o primeiro volume de Miroir des limbes.

Últimos artigos visualizados